5 maiores erros no hora de tirar o Visto para os EUA

Há uma busca constante ao famoso visto americano e nos anos acompanhando inúmeros casos de solicitação de visto, assessorando as pessoas a obtê-los foi possível definir perfis. E através desses perfis, foi possível fazer um levantamento dos maiores e mais constantes erros cometidos pelas pessoas desde no preenchimento da DS160 como na entrevista consular.

Com o objetivo de ajudar a os solicitantes não cometerem esse erro, criamos esse ebook que contém os 5 maiores erros cometidos na hora de tirar o visto, e como o objetivo do e-book não é enrolar e sim instruir, segue as dicas:

DS-160 Genérica, um erro recorrente tanto em formulários DS-160 preenchido pelo próprio requerente como por assessorias, casos bem comuns e recorrentes de pessoas que estão na segunda tentativa de tirar o visto, quando a primeira teve seu visto negado.

Mas como assim? É comum quando vão preencher o formulário colocar respostas referente a informações fundamentais para análise do agente consular de modo modo subjetivo e/ou genérico.

Analisando essas primeiras DS160 percebi que na hora de preencher informações como renda, trabalho, reserva financeira, tais informações não estavam presentes.
De modo que as pessoas informam sua ocupação, no entanto não colocavam o valor dos rendimentos mensais que tinha, o que para o agente consular é imprescindível para analisar se você tem condições de custear sua viagem.

Renda Declarada Insuficiente, sim isso mesmo, pelo menos o valor declarado sendo inferior a um valor médio em que a pessoa teria condições de custear sua viagem. E qual seria essa renda? Não tendo essa renda média como conseguiria tirar o visto?

Uma renda média para aprovação do visto é de R$2500,00 ou seja, valor já acima do piso para declaração de Imposto de Renda, desta forma, é de grande impacto, a pessoa que possua essa renda ou superior, além de declarar esse valor no campo determinado na sua DS160, levar na entrevista consular a declaração do Imposto de renda do último ano e/ou o extratos dos últimos três a seis meses demonstrando as entradas de dinheiro em sua conta corrente que comprovem que o valor declarado condiz com a verdade.

E se não possui essa renda, lembre-se nunca falte com a verdade, pois caso constatado uma mentira, mesmo com seu visto aprovado eles podem solicitar que compareçam no consulado e cancele seu visto. Sendo assim, declare sua renda real de acordo com o que você tem como comprovar e para suprir esse déficit do valor médio existem várias formas de conseguir seu visto, dizendo a verdade mesmo não tendo essa renda, e gostaria de destacar pelo menos dois.

Primeiro: Uma reserva financeira, ou em outras palavras uma aplicação financeira sendo ela poupança ou outras modalidades semelhantes, em que o valor guardado seja o suficiente para mostrar que você, mesmo não tendo a renda o valor que tem guardado consegue cobrir suas despesas de viagem para o tempo que pretende ficar nos EUA. Porém quem já preencheu a DS160 sabe que não existe um campo específico para colocar essa informação, desta forma é comum colocar essa informação na descrição “Descreva resumidamente seus Deveres:” que na DS estará em inglês.

Segunda: Um sponsor (um avalista), uma pessoa que tenha uma renda superior a R$2500,00 por pessoa, se esse avalista irá fazer a viagem com o requerente ao visto, nesse caso R$5000, e que precisará apresentar na entrevista consular a declaração do imposto de renda e/ou extratos seguindo as mesmas orientações já dadas.

Não conseguir comprovar vínculos, tem sido um fator preponderante, pois a falta deles pode fazer com que até um pessoa que possua renda ou reserva suficiente tenha o seu visto negado, e o que dificulta em muitos casos, que tais vínculos não tem como serem colocados como um padrão de vínculos a ajudarem na aprovação, pois são em grande parte contextualizados a cada situação e perfil do requerente.

Mas como assim? Ou seja, não há como estabelecer uma regra, seja possuir um imóvel ou morar em uma casa alugada, ser empresário ou ser empregado, estar estudando ou ter ou não diplomas universitários. Pois cada situação vai de encontro com a realidade da pessoa. Gostaria de citar três exemplos como demonstração de com algumas características de vínculos semelhantes mas se contextualizados, o resultado e análise do agente consular, fará com que tenha êxito no obtenção do visto ou não.

Exemplo 1 – Uma pessoa de 22 anos, solteiro, cursando o último ano da faculdade, possuindo declaração que está cursando aquele semestre e trabalhando em uma empresa registrado e tendo uma renda de R$3500,00, que pode ser comprovado com holetite, declaração de imposto de renda e extrato e mora com os pais, e reside em São Paulo – SP.

Exemplo 2 – Uma pessoa de 25 anos, solteiro, segundo grau completo, com curso técnico com certificado, trabalhando como MEI ele é o única pessoa que exerce sua função em sua cidade, tem uma renda de R$2500,00, que pode ser comprovada somente através de declaração de imposto de renda e extrato bancário, e mora numa casa alugada há 8 meses com aluguel de R$800,00 com contrato de 3 anos, e reside em Quinta do Sol, Paraná.

Exemplo 3 – Uma pessoa de 35 anos, casada, com curso superior completo, possui uma empresa ME com uma renda de R$6000,00 porém não declarou imposto de renda, ou declarou valor inferior ao que ele tem realmente, porém tem extratos que podem comprovar a sua renda, também possui um imóvel o qual ele mora, e reside em Governador Valadares, MG.

Como podem ver existe a similaridades e diferenças, todos eles com vários pré requisitos e possíveis vínculos, no entanto também tem ausência de outros que podem ou não ser levados em consideração, que vão ser analisados pelo agente consular.

E se você fosse o agente consular, o que faria e influência em fornecer ou não o visto?

Qual deles você suspeitaria que poderia migrar e ficar ilegalmente nos EUA, ou usar o visto de modo inadequado, tipo usar o visto de turista para trabalhar?

Sendo assim, o quesito vínculo é bem subjetivo, e vai do agente e sua percepção dizer qual vínculo é pertinente e ao contexto de vida da pessoa para poder aprovar ou não. Por isso eu coloquei os exemplos para vocês analisarem, e dentro disso montarem “o seu próprio exemplo” que remeta a sua realidade, pois mesmo que a visão do agente consular possa diferir de uma para o outro, não tira a necessidade de você dentro da sua realidade e situação atual, fornecer as informações de seus vínculos e na entrevista levar documentos que comprovem, suas alegações.

Faltar com a verdade, pode parecer algo grave e que você nunca faria isso, porém é mais comum e recorrente como se pensa, pois existem as situações mais extremas, que constituem crime, e pode até gerar a prisão e indiciamento criminal, como falsificação de documentos entre outros nessa mesma linha de ação.
Porém as pequenas mentirinhas são bem comuns e que podem sim influir, mesmo que você ache que não, na aprovação ou não ou até no cancelamento do seu visto.

Se sua finalidade é o visto de Turista, como da grande maioria é importante saber que o Brasil temos a presunção de inocência, ou seja, você é inocente até que prove o contrário, no caso nos EUA isso é diferente e você é culpado até que prove o contrário, sendo assim, para a Embaixada ou Consulado Americano, todo brasileiro é um imigrante ilegal em potencial, e é de responsabilidade do requerente do visto, informar e provar que ele está indo com a finalidade do visto requerido, por isso toda a necessidade de preencher a DS160 e da entrevista consular. Pois devido ao grande número de Brasileiros que entram ilegal ou com o visto de turista e depois ficam ilegais, se faz necessário tal ação a fim de controlar esses números.
Desta forma, faltar com a verdade, não somente prejudica a aprovação do seu visto, como também faz com que o consulado ou a embaixada aumente o rigor e os critérios para aprovação do mesmo.

E como o consulado obtém essas informações que podem mostrar que o requerente mente? Muitos já devem ter pensado na C.I.A., mas não, a eles não vão pesquisar sobre a sua vida, a não ser que faça parte de algum grupo criminoso ou terrorista, do contrário em sua grande maioria, até pelo volume de pessoas solicitando o visto, existe uma pesquisa, que é feita pelo agente consular no momento que está te entrevistando e analisando com os documentos e informações que está passando para ele.

E quais informações eles acessam? As informações públicas ou seja que qualquer pessoa consegue obter fazendo uma simples pesquisa no Google ou nas redes sociais, desta forma verificando os grupos e/ou as páginas que curte, pessoas que estão no seu círculo de amizade, ou parentes que morem e nos EUA e se você fez alguma postagem ou menção a estar indo para os EUA, diferente ou coincidindo com o declarado na DS160, com o que está dizendo e com os documentos que tem para comprovar.

Outro fator importante em que temos vistos muito nos últimos casos, eles estão verificando o IP do computador de quem preencheu, ou seja se outra pessoa ou assessoria que more fora de sua cidade, eles vão saber, de modo se foi outra pessoa que preencheu sua DS, não tem problema algum, o problema se feito por outra pessoa, omitir no campo da DS160 que tem somente para isso, e declarar que foi você que fez, e se caso tenha esquecido de por no formulário essa informação, caso questionado, informe que esqueceu de fazer e que foi tal pessoa de tal lugar que te ajudou. Agora se não questionado, não precisa dar essa informação.

Lembrando que por menor que seja a mentira contada, caso eles constatem que você está mentindo, é quase certo que terá seu visto negado, e além de visto negado ficará com tal situação registrada, fazendo que próximas tentativas também se frustrem, pois serão muito mais rigorosos nas tentativas posteriores.

Postura e vestimenta na hora da entrevista com agente consular influenciam no momento em que for tirar o visto, pois apesar dos americanos não serem racistas, grande parte deles principalmente os que trabalham em consulado, em grande parte são conservadores,, e por o fator financeiro ter um peso muito grande para aprovação do visto, a linguagem verbal, corporal e o tipo de roupa podem contribuir grandemente a favor ou contra a aprovação do visto. Como assim?

Primeiramente, quem já teve a oportunidade de conversar com uma pessoa que só falava em gírias ou uma pessoa com uma linguagem simples e clara?
Pois é de acordo com o local e o propósito a língua verbal tem um peso na entrevista muito grande, pois independente do quanto você demonstre, e mostre para o agente consular, a sua maneira de falar é a primeira impressão que fica, e ela pode dizer muito mais sobre você do que se pensa, ou tenta demonstrar de outra forma.

Portanto quando for na entrevista, fuja das gírias, trate os agentes consulares como senhor ou senhora, peça com licença ao entrar na entrevista, seja cortês e responda as perguntas de forma simples e direta, sempre condicionando que sua viagem está condicionada a aprovação do visto. Mas como? Se caso for questionado sobre onde pretende ir ou quando, sempre responda, se aprovar meu visto eu pretendo ir para “tal lugar”, e o se meu visto for aprovado, planejo ir em tal data. Nunca levante a voz, xingue ou esbraveje contra o agente consular, por mais chato ou grosso que ele seja com você. Em alguns casos eles usam um tom mais enérgico, e fim que a pessoa caia em contradição e revele se tiver alguma intenção oculta. Em caso da mesma pergunta feitas repetidamente, com calma responda, como já informei anteriormente para a senhora e responda da mesma forma que respondeu anteriormente.

Segundo sua linguagem corporal também pode dizer muito, ou seja, por mesmo que use uma linguagem de respeito e condicionada ao agente consular, mesmo que mantenha o tom de voz e a educação, mesmo ele tentando te desestabilizar, mantenha sua postura, não fique olhando para o chão nem para os lados, olhe o agente consular e mantenha sua visão nele sem que você aparente estar cabisbaixo (pose do perdedor) ou de nariz empinado (orgulhoso e/ou presunçoso).
Mantenha sua respiração calma, e sua feição com um leve sorriso.

Uma maneira de ter controle sobre essa situação, treine com amigos e familiares, sentando se à frente deles e pedindo para que eles façam as perguntas, mais comuns, repita várias vezes, tanto as mais comuns, como também as perguntas que você tem mais medo que sejam feitas.

A sua linguagem verbal e corporal, podem influenciar tanto que a gente verificar as informações de sua DS 160 e sua postura como a maneira de se portar e falar, ele somente faça algumas poucas perguntas bem genéricas só de praxe e aprove seu visto.

Referente a roupas e no caso das mulheres maquiagem, quem já não ouviu termos como maquiagem de rica, roupa de rico, estilo de rico, aquela pessoa está vestida como um granfino, pois é, a maneira que a pessoa veste pode transparecer algo, seja real ou não, mas tem o poder de vender uma imagem a respeito de você, não significando roupas caras e de marca, mas a maneira de vestir.

Se você acha que isso não interfere, quem já não estipulou onde uma pessoa morava ou qual seu padrão aquisitivo, ou até mesmo a personalidade de uma pessoa pela maneira que ela estava vestida, pelo menos uma vez na vida, pois é os agentes consulares, são capazes e fazer a mesma especulação pela maneira que está vestido na entrevista, e até usando como ponto de referência para ver se a pessoa está mentindo ou dizendo a verdade sobre sua renda e seu padrão de vida. Desta forma, não com a finalidade de mentir, mas sabendo disso e não deixar que o estilo de vestir interfira no seu visto, de modo a ficar mais neutro o possível nesse momento.

Concluindo, sabendo quais são esses os 5 maiores erros no hora de tirar o Visto Americano, você passa a ter uma visão do que deve ou não fazer do desde preenchimento do formulário DS160 até na entrevista consular.

Porém se essas informações não são suficientes, temos o e-book:

Guia Completo do Visto para os EUA , contendo todas as informações necessárias para tirar o visto sem dor de cabeça, sendo um passo a passo descritivo do ínicio ao fim.

Confira os capítulos:

Introdução
1 – Pasta de Documentos, Comprovantes e Declarações:
1.1 – Como preparar-se e montar seu Pasta para o Visto, contendo todos os documentos necessários para preenchimento da DS-160 e solicitados para conferência na entrevista.
1.1.1 – Passaporte Brasileiro
1.1.2 – Extratos Bancários
1.1.3 – Declaração de Imposto de Renda
1.1.4 – Documentos que comprovem vínculos
1.1.4.1 – Contrato de aluguel ou financiamento da própria residência
1.1.4.2 – Contrato de aluguel ou financiamento de pontos comerciais
1.1.4.3 – Contrato Social de Sócio ou proprietário de uma empresa e holerite ou comprovante de saque de pró-labore e participação nos lucros.
1.1.4.4 – Carteira Assinada, Contrato de Trabalho, Holerites e/ou Declarações
1.1.4.5 – Comprovante de matrícula e de que está cursando curso superior, pós-graduação ou técnico, ou se tem filhos em idade escolar.
1.1.4.6 – Comprovantes de Cargos Eletivos e Cargos Públicos Concursados
1.1.4.7 – Outros documentos se contextualizados
2 – Estudo de Roteiro:
2.1 – O por que do estudo de roteiro antes do preenchimento da DS160
2.2 – Levantamento de custo médio por roteiro de viagem e quantidade de dias que pretende ficar.
2.3 – Como se tornar um expert sobre a cidade que pretende ir passear a fim de se preparar para entrevista e aproveitar melhor o destino pretendido.
2.3.1 – Conhecendo os pontos turísticos
2.3.2 – Conhecendo os locais mais violentos e lugares onde se deve evitar.
2.4 – Como evitar roteiros de alto risco (cidades foco de imigração ilegal)
2.4.1 – Mudar de roteiro para uma que não seja tão criterioso.
2.4.2 – Melhorar e se preparar a fim de se adequar ao perfil desejado para as regiões de risco.
2.5 – Seguro Viagem
3 – Preenchimento da DS-160, passo a passo e o que preencher e os cuidados que devo tomar.
3.1 – Entrando no site para preenchimento da DS160
3.2 – Application Information| Informações da Aplicação
3.3 – Personal Information | Informações Pessoais
3.4 – Travel Information | Informação de viagem
3.5 – Relationship with you | Relacionado com você
3.6 – Family Information | Informações familiares
3.7 – Work / education / training information | Informações sobre o trabalho / educação / treinamento
3.8 – Security and Background Information | Segurança e informações de apoio
3.9 – Application Preparer | Preparador De Aplicação
4 – Agendamento, preparação, o que levar e não levar e a ida no CASV e Consulado.
4.1 – Como agendar o CASV e a Entrevista no Consulado ou Embaixada
4.1.1 – O que preciso levar no CASV
4.1.2 – O que preciso levar e não levar na Embaixada ou Consulado
4.2 – Dependendo de onde mora, aonde eu devo agendar o CASV e a entrevista no Consulado Americano.
4.3 – Como devo me portar, falar e vestir na entrevista no Consulado, quais perguntas devo estar preparado em responder, e como treinar a fim de não demonstrar insegurança na hora da entrevista?
4.3.1 – Vestimenta Masculina
4.3.2 – Vestimenta Feminina
4.3.3 – Postura
4.3.4 – Linguajar
4.3.5 – Como me preparar e não ser surpreendido.
4.3.5.1 – Reúna a sua pasta montante e o rascunho de sua DS, ou a cópia de sua DS preenchida e faça um levantamento dos pontos fortes, e os pontos fracos.
4.3.5.2 – Solicite para um amigo ou familiar, ajudá-lo a treinar a entrevista.
Conclusão
Capítulo Bônus :
5 – Como me portar e o que preciso ter em mãos no momento em que estiver na Imigração no Aeroporto para entrar nos EUA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *